DRINK FILOSÓFICO
nation2.com  


OPINIÕES
qual sua opinião sobre a presidente atual?
Dilma é o anticristo!
ELA VAI SALVAR O BRASIL
ELA VAI FERRAR A GENTE
ESSES IMPOSTOS VÃO PIORAR
ELA É APENAS UM ENGODO
ELA SERÁ ÓTIMA
NÃO TENHO OQUE DIZER
podia ser piór
Ver Resultados

Rating: 2.7/5 (316 votos)




ONLINE
1





sobrenatural

Tudo o que acontece é natural - inclusive o sobrenatural. 


Isso são manifestações de outros planos (ou dimensões) paralelos ao nosso plano ou dimensão física (material).

Nosso universo não é somente matéria condensada, como diz Einstein na sua célebre formuma E = m . c².
O universo é um imenso mar de energias, de todos os tipos, qualidades, vibrações, frequencias, alcances, cada uma produz um efeito, etc...

A ciencia descobriu que no interior das particulas atômicas, existem outras particulas, ou seja, particulas SUB ATOMICAS que compõe os prótons, neutrons e elétrons.
E lá dentro no núcleo do átomo, descobriu-se um imenso VAZIO, uma espécie de vácuo mateiral, mas cheio de energia, onde o observador e o observado não se distinguem, e que a energia ali encontrada, se molda de acordo com o que o observador deseja ver.

Enfim, entra em cena a física quantica. Que nos fala dos QUANTUNS, ou unidades de medida de energia.

Isso mostra que no imenso vácuo universal, na distancia entre os planetas e sistemas solares, existem um oceano de energia invisível, ou de matéria escura, como dizem outros.

Os fenômenos ditos sobrenaturais, na realidade não são sobrenaturais, mais sim, eles SÃO NATURAIS!

Pois as outras dimensões também fazem parte da natureza.

Quando há uma passagem de energia de uma dimensão para a outra, elas causam esses fenômenos que a ciência tenta entender, mas os céticos rejeitam, e dizem que não é outra dimensão.

E os místicos e os religiosos acham que são seres de outros planos, uns dizendo que são anjos, outros que sejam o demônio, outros que sejam tecnologia alienígena, e assim por diante.

Esse nosso universo holográfico é muito complexo para ser compreendido.
Por isso fico com a frase de William Shakespeare:

"Há muito mais mistérios entre o céu e a terra do que supõe a nossa vã filosofia".

alguns videos postados aqui podem ter o conteúdo um pouco fórte para algunsmas levantam questionamentos necessarios para entender-se a natureza obscura ou desconhecida que está a nossa volta, a ciência pode explicar muita coisa mas as pergunta fundamentais estão longe de ser respondidas...

uma coletânia de aparições em imagens e videos:

video de um suposto duende ou oque??

eventos sobrenaturais mais assustadores capturados em video:

quando a ciência se curva ao inexplicavel

poltergeist

realmente muito imprecionante

 

casas asustadoras e fenomenos indexplicaveis

temos aqui uma pequena coletânea de videos sobre um tema bastante discutido nos mais variados viéis religiosos,os exorcismos,é necessario que o vizitante tenha conhecimento que esses videos são muito fórtes e imprecionam com a veracidade por tráz de cada manifestação.

 

os exorcismos na história

 

 

Nas culturas egípcia, babilônica, assíria e judaica, atribuíam-se certas doenças e calamidades naturais à ação dos demônios. Para afastá-los, recorria-se a algum esconjuro ou exorcismo. A cultura ocidental recebeu essas idéias através da Bíblia e do cristianismo primitivo.

No cristianismo, exorcismo (do grego exorkismós, "ato de fazer jurar", pelo latim exorcismu) é a cerimônia que visa esconjurar os espíritos maus, forçando-os a deixar os corpos possessos ou dominar sua influência sobre pessoas, objetos, situações ou lugares. Quando objetiva a expulsão de demônios, chama-se Exorcismo Solene e deve fazer-se de acordo com fórmulas consagradas, que incluem aspersão de água benta, imposição das mãos, conjurações, sinais da cruz, recitação de orações, salmos, cânticos, etc. Além disso, o ritual católico do exorcismo pode ser executado por sacerdotes somente quando são expressamente autorizados por bispos.

 

 

Possessões

 

Possessão é o estado ou condição em que o corpo e (ou) a mente de um indivíduo são supostamente possuídos ou dominados por uma entidade (um ser, força, ou divindade) que lhes é externa, ou que não se manifesta habitualmente nas atividades da vida diária.

A possessão, considerada como experiência de natureza psicológica e social, pode ser verificada individual ou coletivamente, e ter caráter inesperado, ou estar submetida a algum tipo de controle ritual; em diversas sociedades e culturas, figura como episódio ou experiência central da vida religiosa. Podemos dividir, genericamente, as formas de possessão em quatro categorias.

 

Encosto

O espírito fica próximo à pessoa, mas a influência é pequena. Neste caso, banhos de água e sal ou orações como o Pai-Nosso ou o Credo, afastam este espírito inferior. Geralmente estes espíritos são de pessoas que desencarnaram e pertencem à família do possuído.

 

Espírito opressivo

O espírito tem a capacidade de "vampirizar" a energia do indivíduo. Os efeitos são sentidos como um cansaço ou vontade de chorar que podem cessar de um momento para outro. Indica-se neste caso, que se utilize um saquinho de cor vermelha, sempre junto ao corpo para neutralizar a presença deste espírito. Também os banho de água com sal, são benéficos neste caso. A leitura do salmo 23 é o mais indicado contra o espírito opressivo.

 

Obsessão

O espírito consegue ficar de maneira tão dominante no corpo astral do indivíduo que pode até mesmo mudar o modo de falar e fazer coisas que normalmente não faria no dia-a-dia. Chega até mesmo a não reconhecer parentes e pessoas próximas de seu convívio. É bom frisar que aqui no Brasil de acordo com o espiritismo ou nas religiões afro-brasileiras como a umbanda e candomblé, existem os fenômenos de possessão de espíritos doutrinadores e iluminados, trazendo ao médium apenas benefícios.

 

Possessão demoníaca

Neste caso, o espírito toma o corpo da pessoa, fazendo com que ocorram até fenômenos de "poltergeist" (conjunto de fenômenos produzidos espontaneamente, que consiste em ruídos e deslocamento de objetos, podendo ter duração indeterminada).

 

 

Exorcismos na Bíblia

 

O Antigo Testamento, embora reconheça a atuação do demônio a partir da tentação e da queda de Adão no paraíso, praticamente não alude a uma ação maléfica direta do diabo sobre os homens.

Foi no judaísmo antigo que se atribuíram ao demônio intervenções muito concretas na vida cotidiana. O Livro de Tobias (século II a.C.), de influência assíria, narra um exorcismo praticado mediante a oração e utilização das vísceras de um peixe.

No Novo Testamento, que não apresenta modificações essenciais no que se refere ao exorcismo, o Evangelho de Marcos é o que insiste de maneira mais realista nos exorcismos praticados por Jesus e por seus discípulos. Em certos casos, trata-se de expulsar o demônio do corpo de possessos ou lunáticos. Em outros, da cura de enfermidades atribuídas à ação do demônio. Os evangelistas se servem dessas vigorosas ilustrações para demonstrar a vitória de Jesus sobre Satanás e também para mostrar como seu povo se libertou do pecado. "Chegou o momento de ser julgado este mundo, e agora o seu príncipe será expulso" (João - 12:31). Esses milagres seriam um sinal da instauração do reino de Deus. "Se, porém, eu expulso demônios pelo Espírito de Deus, certamente é chegado o reino de Deus sobre vós" (Mt - 12:28).

 

 

Exorcismos na história da Igreja

 

As curas e os exorcismos foram comuns na igreja primitiva. Com o reconhecimento oficial da Igreja sob o imperador Constantino, os exorcismos carismáticos, realizados informalmente por qualquer cristão, deram lugar à institucionalização da função do exorcista. O Rituale Romanum reuniu mais tarde, diversos ritos de exorcismos para situações variadas. Também as igrejas reformadas estabeleceram tais ritos.

O racionalismo do século XVIII conseguiu explicar muitos mistérios supostamente sobre-humanos, o que também sucedeu, de modo ainda mais intenso, com a descoberta do hipnotismo e da psicologia profunda no século XIX. A Igreja Católica, como também algumas denominações protestantes, admite os exorcismos ordinários, contidos no rito do batismo, como símbolo da libertação do pecado e do poder do demônio. Pratica-se o exorcismo ordinário na bênção da água batismal e na sagração dos santos óleos. Os exorcismos solenes, que têm por objetivo expulsar o demônio do corpo de um possuído, são práticas raríssimas e só confiadas, mediante permissão episcopal, à sacerdotes muito experientes.

O exorcismo católico inicia-se com a expressão latina "Adjure te, spiritus nequissime, per Deum omnipotentem" (eu te ordeno, espírito maligno, pelo Deus Todo-Poderoso). O processo pode ser longo e extenuante, chegando a se estender por vários dias. A possessão está associada ao mal. O processo de libertação é feito de forma dramática e violenta. Os exorcistas recorrem as preces, água-benta, defumadores, essências de rosas e arruda. O sal que é associado à pureza espiritual também é utilizado.

Porém, o cristianismo deste século tem uma atitude dividida em relação ao exorcismo. Por um lado, mantém distância de sua prática, atuando mais próximos a psiquiatras e médicos e autorizando estudos para esclarecer este fenômeno. Mesmo assim, a Igreja oculta os casos confirmados de possessão a prática dos rituais de expulsão. Ainda, o Papa João Paulo II declarou ter aplicado o exorcismo sob uma jovem, em 1982.

Um relatório sobre exorcismo foi compilado pela Igreja da Inglaterra, em 1972, por uma comissão que incluía represen- tantes católicos e um consultor psiquiatra. Apesar de pretender desbancar as possessões, acabou fortalecendo esta idéia quando relacionada à possessão de lugares: "a interferência demoníaca... é comum em lugares não consagrados... assim como em conexão com sessões espíritas".

Porém, este relatório considera exorcismos de pessoas extremamente duvidosos. À luz da Igreja moderna, aqueles que se julgarem possuídos, devem, prioritariamente, procurar a ajuda de um médico ou psicólogo. Recorrer a um sacerdote cristão é considerado último recurso.

O padre Gabrielle Amorth, diz ter realizado aproximadamente 50.000 exorcismos mas considera que somente 84 foram possessões autênticas. O sacerdote diz que os sintomas incluem força física sobre-humana, xenoglossia (a fala espontânea em língua que não foi previamente aprendida) e revelações de segredos sobre as pessoas.

O cânone dominicano Walker, de Brighton, que coordena o Grupo de Estudos do Exorcismo Cristão, lembra de somente sete casos genuínos durante sua vida religiosa: "Normalmente, tudo que é preciso são conselhos e rezas".

 

 

O demônio e o exorcismo nas religiões

 

Católicos

Satanás, líder da rebelião dos anjos contra Deus, é a encarnação do mal que existirá até o fim dos tempos e contra o qual os cristãos devem estar sempre vigilantes. Há sinais que distinguem os endemoninhados, mas a Igreja recomenda que se recorra à avaliação de psiquiatras para evitar confusões com casos de histeria e esquizofrenia.

 

Anglicanos

O demônio pode ser combatido em orações, hinos e leituras da Bíblia, mas não existe uma cerimônia específica. Os casos de exorcismo são muito raros. Quando ocorrem, o possuído é "tratado" num grupo de orações, que lhe recomenda jejum, abstinência sexual e adoração a Deus.

 

Judeus

A literatura rabínica clássica não prevê a existência do demônio, por isso a religião não reconhece rituais de exorcismo. Nos séculos XVI e XVII, surgiu a figura do dibuk, espírito perverso que podia ser expulso em ritos de oração. Para a maioria dos judeus, é considerado apenas folclore.

 

Evangélicos neopentecostais

Todos os males são causados pelo demônio. Há tipos de possessão que estragam a vida amorosa, provocam miséria, perturbam a família. Nos cultos, os endemoninhados são conduzidos ao altar. O pastor grita com Satanás e exige que abandone o corpo em nome de Jesus.

(Fonte: Revista Época)

 exorcismo latino inalterado desde 1614:

Exorcizamus te, omnis immundus spiritus, omnis

satanica potestas, omnis incursio infernalis adversarii,

omnis legioffugare a Dei Ecclesia, ab animabus ad

imaginem Dei conditis ac pretioso divini Agni

sanguine r, omnis congregatio et secta diabolica, in

nomine et virtute Domini Nostri Jesu + Christi,

eradicare et eedemptis + . Non ultra audeas, serpens

callidissime, decipere humanum genus, Dei

Ecclesiam persequi, ac Dei electos excutere et

cribrare sicus + . Imperat tibi majestas Christi,

æternum Dei Vt triticum + . Imperat tibi Deus

altissimus + , cui in magna tua superbia te similem

haberi adhuc præsumis; qui omnes homines vult

salvos fieri et ad agnitionem veritaris venire. Imperat

tibi Deus Pater + ; imperat tibi Deus Filius + ;

imperat tibi Deus Spiritus Sanctuerbum, caro factum

+ , qui pro salute generis nostri tua invidia perditi,

humiliavit semetipsum facfus hobediens usque ad

mortem; qui Ecclesiam suam ædificavit supra firmam

petram, et portas inferi adversus eam nunquam esse

prævalituras edixit, cum ea ipse permansurus omnibus

diebus usque ad consummationem sæculi. Imperat

tibi sacramentum Crucis + , omniumque christianæ

fidei Mysteriorum virtus +. Imperat tibi excelsa Dei

Genitrix Virgo Maria + , quæ superbissimum caput

tuum a primo instanti immaculatæ suæ conceptionis

in sua humilitate contrivit. Imperat tibi fides

sanctorum Apostolorum Petri et Pauli, et ceterorum

Apostolorum + . Imperat tibi Martyrum sanguis, ac

pia Sanctorum et Sanctarum omnium intercessio +.




Ergo, draco maledicte et omnis legio diabolica, adjuramus te per Deum + vivum, per Deum + verum, per Deum + sanctum, per Deum qui sic dilexit mundum, ut Filium suum unigenitum daret, ut omnes qui credit in eum non pereat, sed habeat vitam æternam: cessa decipere humanas creaturas, eisque æternæ perditionìs venenum propinare: desine Ecclesiæ nocere, et ejus libertati laqueos injicere. Vade, satana, inventor et magister omnis fallaciæ, hostis humanæ salutis. Da locum Christo, in quo nihil invenisti de operibus tuis; da locum Ecclesiæ uni, sanctæ, catholicæ, et apostolicæ, quam Christus ipse acquisivit sanguine suo. Humiliare sub potenti manu Dei; contremisce et effuge, invocato a nobis sancto et terribili nomine Jesu, quem inferi tremunt, cui Virtutes cælorum et Potestates et Dominationes subjectæ sunt; quem Cherubim et Seraphim indefessis vocibus laudant, dicentes: Sanctus, Sanctus, Sanctus Dominus Deus Sabaoth.



V. Domine, exaudi orationem meam.


R. Et clamor meus ad te veniat.


[si fuerit saltem diaconus subjungat V. Dominus vobiscum.


R. Et cum spiritu tuo.]



Oremus.



Deus coeli, Deus terræ, Deus Angelorum, Deus Archangelorum, Deus Patriarcharum, Deus Prophetarum, Deus Apostolorum, Deus Martyrum, Deus Confessorum, Deus Virginum, Deus qui potestatem habes donare vitam post mortem, requiem post laborem; quia non est Deus præter te, nec esse potest nisi tu creator omnium visibilium et invisibilium, cujus regni non erit finis: humiIiter majestati gloriæ tuæ supplicamus, ut ab omni infernalium spirituum potestate, laqueo, deceptione et nequitia nos potenter liberare, et incolumes custodire digneris. Per Christum Dominum nostrum. Amen.



Ab insidiis diaboli, libera nos, Domine.


Ut Ecclesiam tuam secura tibi facias libertate servire, te rogamus, audi nos.


Ut inimicos sanctæ Ecclesiæ humiliare digneris, te rogamus audi nos.



Et aspergatur locus aqua benedicta




Criar um Site Grátis    |    Create a Free Website Denunciar  |  Publicidade  |  Sites Grátis no Comunidades.net